Antidemocrático como xingamento

5AlU5RYsEstas eleições vemos uma disputa interessante, além da tradicional competição de promessas entre os candidatos. Os dois lados se acusam de ser uma ameaça à democracia. Ouvimos alegações de que lutar para direitos específicos para algumas minorias seja “democrático” e defender direitos iguais; questionar noções como dívida histórica e livre migração seriam antidemocráticos. Toda ideia do adversário é rotulada como antidemocrática. E isso basta para deslegitima-la e não debater a questão no mérito. Continuar lendo “Antidemocrático como xingamento”

A legalização dos talibãs e a origem violenta do poder político

5AlU5RYsRecentemente, no âmbito do processo de pacificação do pais, o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, propôs aos talibãs fundar um partido, oficialmente reconhecido e legal. Ele falou também em perdoar membros que aceitem se comprometer com as negociações. Pode parecer surpreendente, mas é comum e normal: a paz se faz com os inimigos. Quando você não consegue aniquilá-los, mais cedo ou mais tarde deverá acertar as contas com eles.

Continuar lendo “A legalização dos talibãs e a origem violenta do poder político”

Evo, FHC, Lula e a quebra do limite de mandatos

5AlU5RYsNotícia recente: Evo Morales se recandidata pela quarta vez. Notícia velha e repetida: líderes do mesmo lado do espectro político costumam desrespeitar o limite de mandatos.

Morales é presidente da Bolívia desde 2006. O artigo 168 da Constituição proíbe duas candidaturas sucessivas, e o presidente instituiu um referendo popular para mudar a norma. Perdeu, mas atribuiu a derrota a campanhas midiáticas contra ele e pediu, então, a suspensão do artigo ao Tribunal Constitucional, que acolheu o requerimento observando que a habilitação de Morales só amplia um direito, o seu, sem tirar de outros o direito de derrotar o presidente nas urnas; “no fim, é o povo que vai decidir”, falam.

Continuar lendo “Evo, FHC, Lula e a quebra do limite de mandatos”

Pesquisa aponta: o Brasil é pouco corrupto

client-5

O Brasil não é tão corrupto como se pensa. É o que mostram os dados da última pesquisa do Barômetro Global da Corrupção (BGC), realizada pela ONG Transparência Internacional. Essa pesquisa mostra que apenas 11% dos brasileiros pagaram propina nos últimos 12 meses, fazendo o Brasil o país menos corrupto na América Latina e Caribe com exceção de Trinidad e Tobago. Ademais, essa mesma pesquisa mostra que, apesar da percepção ser alta sobre o quão corruptas são as instituições, porém ela não está entre as maiores; na verdade, somente 11 países têm uma percepção mais baixa de corrupção que a brasileira na América Latina. Continuar lendo “Pesquisa aponta: o Brasil é pouco corrupto”